Ana de Paola:”os dois maiores ensinamentos de uma Constelação são: o não julgar e ter compaixão”

Ana de Paola

Ana de Paola:”os dois maiores ensinamentos de uma Constelação são: o não julgar e ter compaixão”

Já quis compreender mais a fundo os motivos que fazem com que você se comporte de determinada maneira e não de outra? Ou quis entender um pouco mais as razões que te levam a lidar com as mais diversas situações de sua vida, principalmente as adversidades e desafios, entre outros pontos que envolvem as suas características e os principais traços de sua personalidade? 

Aqui nesta Plataforma falamos sobre sustentabilidade, sobre consumo e principalmente, sobre autoconhecimento – e nada como trazer os conhecimentos de uma profissional incrível que conheci em 2020. A Ana é Consteladora Sistêmica e vai compartilhar, em um bate papo super especial, sua visão sobre a sua profissão e como essa terapia pode contribuir de uma forma significativa em nossas vidas. Desejo que gostem, boa leitura! 

Ana, antes de mais nada, agradeço pela sua disponibilidade. Gostaria de saber, primeiramente, como foi o seu primeiro contato com este universo. Como foi a sua trajetória até sentir que deveria iniciar como Consteladora Familiar?

Obrigada você, Isa! Trilhei minha carreira como Cirurgiã Dentista por 18 anos, tendo duas especializações e um mestrado. Quando enfrentei problemas na minha coluna comecei a tratar com Terapias Complementares e ao observar os resultados extremamente benéficos,  e curiosa como sempre fui, passei a pesquisar sozinha na internet sobre estes assuntos. 

Mais tarde, achei que seria interessante aprender algumas técnicas para ajudar meus pacientes no consultório, principalmente os que tinham muito medo de ir ao dentista. Então me matriculei nos cursos de Auriculoterapia, Florais, Reiki e Constelação Familiar.

Após conhecer de perto as Constelações, resolvi me despedir da minha carreira atual e aceitar esse novo chamado da minha alma.

A partir de sua experiência, de que forma a Constelação Familiar Sistêmica contribui para melhorar a vida das pessoas?

Durante uma Constelação é possível observar as dinâmicas ocultas que são a verdadeira causa de muitas dificuldades em nossas vidas.

Quando a causa inconsciente de um problema é revelada, é possível orientar quais caminhos devem ser percorridos para desatar o nó; e então tudo pode ser transformado; desde que o cliente esteja disposto a ter um novo comportamento perante a questão.

Além de desvendar a causa do emaranhamento, durante uma Constelação são pronunciadas frases específicas de cura sistêmica. Algo como: “eu vejo você e permito que você me veja”, “foi por uma justa razão, agora entendo que teve que ser como foi”, “sinto muito se eu ou meus ancestrais lhe causamos algum mal, não foi minha intenção”, “agora eu lhe entrego o que é seu e fico somente com aquilo que é minha responsabilidade”. Essas frases ajudam a ressignificar os conflitos, amenizar as emoções e trazer aceitação e apaziguamento. 

Muitas pessoas acreditam que a constelação é voltada apenas para a família. Contudo, muitos temas podem ser trabalhados por meio dessa vertente. Poderia nos contar um pouco mais sobre isso?

Claro! Em uma Constelação podemos amenizar qualquer conflito do cliente em relação a um sistema do qual ele participe: a sua família atual (casamento e filhos), a família de origem (irmãos,pais, avós…), o relacionamento amoroso, um grupo de amigos, sua equipe de trabalho e a carreira profissional, questões com seus animais de estimação, etc.

Na minha experiência, os temas mais procurados são: conflitos com os pais, casamento,  questões emocionais (como medo, raiva, inseguranças), saúde, prosperidade e carreira profissional. 

Para você, qual é a relação da terapia (Constelação Familiar) e as crenças que carregamos em nosso subconsciente?

A Constelação Familiar revela quais são as causas inconscientes, de um determinado sistema, que estão atuando por trás de algum contratempo.

Por exemplo: se um cliente repete problemas amorosos já ocorridos anteriormente com algum parente, pode ser uma forma inconsciente de lealdade à família. Experiências vividas com seus pais durante a infância, ou até mesmo em gerações anteriores podem estar por trás destas dificuldades, nas constelações chamamos estas tribulações de “emaranhamentos sistêmicos”.

Uma questão que pode gerar dúvidas aos leitores é: existe alguma “regra” na constelação familiar?

As regras mais importantes que todo Constelador deve seguir são as “Ordens do Amor”, que são 3 leis ensinadas por Bert Hellinger, o criador das terapias sistêmicas.

De forma muito resumida, observamos:  a lei da Hierarquia que diz que o mais velho precede o mais novo, a lei do Equilíbrio que fala sobre o dar e receber nos relacionamentos e a lei do pertencimento que explica que aqueles que já pertenceram a um sistema não devem ser excluídos.

Outra regra para todo Constelador é não ter julgamentos, preconceitos e ter um olhar compreensivo e amoroso.

O cliente pode constelar qualquer relação ou pessoa?

A Constelação deve ser utilizada para autoconhecimento e autodesenvolvimento. Existem duas exceções: a primeira diz respeito aos pais, que podem olhar para as questões de seus filhos (até 14 anos de idade) e a segunda se refere aos casos de familiares próximos internados na UTI (em risco de morte), e incapacitados de participar da própria Constelação.

Como a Constelação Familiar atua?

A Constelação Familiar se dá pelos Campos Morfogenéticos, que são campos de informações transmitidas por ressonância. Esses campos foram descobertos pelo biólogo inglês Rupert Sheldrake em 1981, cuja teoria explica que acontecimentos e comportamentos, ocorridos no passado, influenciam todos que pertencem a determinado sistema no presente.

O que acontece após uma constelação?

Na minha opinião, os dois maiores ensinamentos de uma Constelação são: o não julgar e ter compaixão, e o manter-se no seu correto lugar dentro do seu sistema. Com empatia, podemos ser mais tolerantes, mais acolhedores e nos relacionarmos melhor. E quando voltamos ao lugar que nos cabe em nosso sistema (lei da hierarquia), deixamos de carregar pesos que não são nossos, podemos ter um foco maior em nossa vida, nossos relacionamentos, nosso trabalho; levando uma vida muito mais leve e saudável.

Qual é o seu conselho para quem deseja começar a constelar?

Quem deseja Constelar precisa sentir um desejo profundo de mudança, essa vontade lhe dará a força necessária para fazer novas escolhas e ter novos padrões de comportamento.

Isabela Vera
contato@abelaconsciencia.com.br

A Bela Consciência é um objetivo traçado com muita imaginação e bel-prazer. Ela se tornou a oportunidade perfeita de unir a minha profissão e um dos assuntos que mais amo: o autoconhecimento.

Quer ser o primeiro a comentar?

Escrever